E lá se foram 40 anos




1981: o ano em que surge (ou ao menos, que se tem registro) o primeiro caso de aids. O "paciente zero",  um homem homossexual que apresentava lesões de Sarcoma de Kaposi, talvez marque o que se pensa ainda hoje, de maneira equivocada, a respeito do HIV.  Em 2016, um estudo aponta que na verdade o vírus já circulava desde a década de 70, e que nem de longe seria esse homem o primeiro caso de aids. 

De lá para cá, acompanhamos na mídia, muitas vezes sensacionalista, o desenrolar da epidemia de HIV. "Sexo seguro" era falado nos primeiros anos, também sobre os "grupos" e "comportamentos de risco" foram disseminados e a ideia de "sentença de morte", em especial para as pessoas que, assim como o homem citado acima não correspondem à norma cisgênero e heterossexual, como um fantasma. "Vítima da aids, Cazuza agoniza em praça pública", publicou a Revista Veja. Quem acompanhou a banda britânica Queen, e a Legião Urbana brasileira, acompanhou também o que se passou com Freddie Mercury e Renato Russo, outras "vítimas da aids". E essa imagem ficou nas nossas cabeças. 

A professora de biologia, na escola, quando não vinha de um lar "de bem" e condenava o amor entre pessoas no mesmo sexo, "educava" a partir do medo e do terror. Aqui, quero compartilhar um pouco de minha experiência. Não me recordo de, em momento algum, ter tido algo além de uma aula breve, assustadora e ouvir falar sobre a aids em algum lugar, em especial na minha adolescência. Mas eu não vivi o que meus pais, jovens em 1980, viveram com o surgimento da aids. Mesmo assim, eu, um homem gay, já naquele momento pensava que a aids seria o meu fim (como pensam, erroneamente, muitos outros homens gays e bissexuais ou mulheres trans e travestis).

Mas o que era visto como uma "sentença" e certeza de morte, os diversos efeitos colaterais dos diversos medicamentos por dia, que a gente pode ver no filme Clube de Compras Dallas, apesar de terem durado longos anos, passou. Em 1995, descobre-se que associar três drogas agindo em momentos diferentes da replicação viral conseguiria fazer com que o HIV não pudesse se replicar, o que ocasiona a diminuição de vírus circulando no sangue. Até então, inclusive pelos efeitos colaterais, o tratamento medicamentoso só se iniciava quando a pessoa adoecia de aids ou tinha uma contagem de CD4 (células de defesa) abaixo de determinado número. 

Em 2013, o governo brasileiro institui a política "testar e tratar", e em 2017 o Estado de São Paulo passa a reconhecer que pessoas que vivem com HIV, estão em tratamento e mantém a carga viral indetectável não apenas não adoecem de aids (o que já era sabido), mas também não transmitem HIV para seus parceiros sexuais ou durante a gestação e parto. É também neste período que estão em implementação políticas de Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) que, com o uso de um comprimido diário, tem sido importante ferramenta para enfrentamento de novos casos de infecções pelo HIV. 

Vejam, toda essa breve linha do tempo, em especial o que vem ocorrendo na última década, nos mostra que, sim, hoje é plenamente possível viver com HIV sem nunca desenvolver aids, assim como também nossas formas de prevenção são muitas e podemos escolher a que melhor se adapta ao estilo de vida de cada um. Nos mostra que temos ciência e avanços biomédicos na direção de garantir boa qualidade de vida a quem vive com HIV. 

Mas o que fazemos pelas pessoas que, assim como eu, tiveram as aulas de terror? O que podemos fazer pelo homem que se relaciona com homens e que, por isso, acredita que será mais uma pessoa a morrer de aids? Ou então, o que faremos para acolher a pessoa que vive com HIV e que tem como pano de fundo todos esses medos, culpa, vergonha? 

Trabalho em consultório e na saúde pública. Na saúde pública, também como psicólogo clínico. Convivo com pessoas que vivem com HIV e pessoas que fazem uso da PrEP. Convivo com pessoas que escolhem apenas conversar sobre prevenção com seus parceires, e não usam nenhuma estratégia de prevenção dessas que comentei. E em todos esses espaços, o que vejo, é a invisibilização da pessoa que vive com HIV. 

Do ponto de vista de saúde pública e enfrentamento à epidemia de HIV/aids, lançar mão do discurso de que há PEP, PrEP, I=I, uso de preservativos, prevenção combinada, é importantíssimo e necessário. Mas e do ponto de vista individual? Toda estratégia serve para todo mundo lidar com alguma coisa?

Levando-se em conta o que compreendo na psicologia junguiana como sombra, sempre que algo avança na consciência, numa direção, no inconsciente e na vida psíquica, também há um movimento, na direção oposta e em igual intensidade. Enquanto falamos de indetectável para a contagem de vírus numa gota de sangue e colocamos como a única saída para a pessoa que está em nossa frente em nossos consultórios, e reforçamos veementemente que "agora que você está indetectável, você não transmite o vírus para seus parceiros" ou "quando você estiver indetectável, poderá inclusive deixar de usar a camisinha" indetectamos a subjetividade (é o vírus que fica indetectável, não a pessoa), os pensamentos, as crenças, os sentimentos, os afetos que a vivência individual provocam. Sem perceber, podemos acabar dizendo "nas entrelinhas" que a responsabilidade ou a culpa pela saúde do outro recai exclusivamente no tratamento da pessoa que vive com HIV. 

Penso que o grande desafio da epidemia de HIV/aids recentemente seja justamente esse: termos claro que para que a pessoa possa ter sua carga viral indetectável no exame quantitativo, ela, a pessoa e sua subjetividade não podem estar indetectáveis. 

Comentários

  1. You can also earn free spins inside the slot video games themselves! Keep an eye out in your chance to earn these bonus free spins. Connection continuity – due to of} a number of} wired and wireless connectivity choices, and failover performance, the slot machines are at all times online, even when the primary connection is lost. Remote Management System permits easy centralized updates and monitoring of a number of} machines conveniently from anywhere on the planet. It also stores priceless information and helps for 카지노사이트 predictive upkeep. Error occasions allow for quick response and placement detection to resolve the problem within the shortest potential time.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas